sábado, 21 de novembro de 2009

Que Pena!




Era de se esperar que algo assim não fosse durar muito tempo.

 Quanto é “muito tempo”? Quanto custa “muito tempo”?

Não sabemos o que queremos. Queremos alguém que pareça com a gente, mas se torna entediante quando é assim.  Queremos alguém que seja diferente da gente, mas depois, essa mesma diferença, se torna o problema.

Não dá pra enganar. Somos opostos. Opostos se atraem, mas não se combinam – já dizem por aí. Tantas faces pra eu me preocupar e vou me perder justamente na sua? Estupidez. Na verdade, qualquer pessoa, na face dessa terra, vai ser diferente de mim. Sou um “exigente” com causa. Sou chato pela exigência. Sou legal por ter feito aulas.

Você não conhecerá minhas manias. Não trará um refrigerante de laranja para minha vista. Não saberá as minhas histórias. Não conversará com a mãe sobre a minha infância. Não descobrirá minhas cicatrizes. Não receberá minhas ligações no meio da noite.

O descaso anda no bolso. Fácil, fácil desistir de alguém. É como sair da fila da pipoca: a consciência continuará tranquila. Trocamos os nossos melhores beijos e ficamos somente nisso. Nossos beijos contarão o restinho da missa. O dia seguinte já é agendado para outro alguém. “A fila anda”, não é assim?! E a de algumas pessoas corre feito maratona de São Silvestre...

O telefone não vai tocar. Nenhuma mensagem será feita para agradar. Um convite para o final de semana
 nunca chegará. Conheceremos milhões de máscaras, mas não saberemos da pele. O que tem por debaixo da pele. Do que realmente vale. Não existe mais encanto. Mas acredito que dias melhores virão. Perdemos o significado, a identidade, o riso carimbado, o cheiro marcante. As pessoas estão erradas, não o mundo.

Somos mercadorias. Seremos trocados por outro produto assim que já não funcionarmos mais. Podemos escolher qual levaremos pra casa. As coisas estão longe de exclusividades. A facilidade prevalece pra bagunçar a nossa fé. Não perca a fé.
Difícil encontrar alguém que te satisfaça, que se importe, que se deporte pra sua vida sem viagem de volta. Difícil encontrar alguém que te faça perder a fala, alguém que te desmonte e te remonte com uma facilidade inigualável. Alguém que te deixe boquiaberto por certas atitudes. Muito difícil.
Triste, mas verdade. Uma pena!
Leandro Lima

3 comentários:

Priscila Rôde disse...

Muito triste essa realidade, Leandro! Infelizmente, é assim!
Não sei, vou torcer pelos milagres já que eu não acredito em sorte!

Um beijo.

Athila Goyaz disse...

Que texto hein! perfeito!

vc disse tudo no seu úttimo parágrafo, é muito difícil manter alguem em nossas vidas sem sufocar pelo simples amor.

abraços!

anonimo_claxb disse...

Realmente muito triste. Texto perfeito,;*