quarta-feira, 25 de novembro de 2009

E A Busca Continua...

 

Precisamos conversar. Desengatar as palavras atrasadas na garganta pode ser uma boa carta de desabafo. Meu mundo sucumbiu. Perdi o significado de certas coisas.
Não acredito que falhei com você. Depois de todos esses anos a vida não ressurge. Não se renova. Uma busca desenfreada por algo que nunca teremos compadece de desejos.
Preciso de uma razão pra me refazer, me dê um bom motivo pra isso, vamos! Quero poder aparar as arestas dessas idéias malucas e compreender como algumas coisas não funcionam, ou só funcionam pra algumas pessoas.
Não estou pronto para partir. Não há preparação na despedida. Imagina a repercussão de uma despedida. Agora você não sentirá a diferença, mas quando olhar para o lado e não me encontrar... Aproveite para nutrir a alma com os meus gestos e nunca os esqueça, eles te mostrarão exatamente o que você não pode ser.
Algumas partes dessa história vou deixar pra trás, vou rever conceitos, reaver sorrisos, comprar outros conselhos, inventar lembranças, destruir preconceitos, criar outros caminhos.
Mostre algum respeito pelo meu semblante. A busca continua para todos nós. Somos poderosos demais para não encontrar o que tanto buscamos. Temos inteligência suficiente para sermos imaturos. E somos imaturos o suficiente para ainda acreditar no amor... Não existe inteligência na dor. Ficamos desprovidos de sensatez na tristeza. A sorte também conta muito durante a festa.
Está ouvindo? Algo se aproxima da mudança. Porque a sorte não costuma mudar; ela dá um tempo no tempo e volta pra retentar o acaso.
A nossa busca é, sim, uma batalha infindável pela felicidade e chegar até ela é quase sorte. Ou algo parecido.
Leandro Lima

4 comentários:

clariinha.santana disse...

Ei, você estava falando comigo?! Huahsua
Adorei o texto, você como sempre põe perfeição ao encaixar as palavras nele.
'E somos imaturos o suficiente para ainda acreditar no amor... Não existe inteligência na dor': não vou esquecer disso, muito lindo!

Desirée disse...

Eu tbm precisava conversar com ele, mas cadê que ele passa por cima do orgulho?!
Amei o texto ^^
Bjos :)

Priscila Rôde disse...

Eu precisei conversar, esperei..
Toda espera tem seu fim, aprendi. Conversei comigo mesma e decidi seguir bem e tantar ainda acreditar no amor, tentar ainda ser feliz. É o que me resta: tentar! Um beijo.

B. disse...

Já disse isso,mas vc escreve p mim, vc sabe né? aoeioaieoia'
eu ainda preciso conversar!
mas n há oportunidade... há certas coisas q precisam sair p sumir!

ameeei :)

;***