terça-feira, 20 de outubro de 2009

Lembre de Tudo Isso



Não vá. Imploro para que não vá. Não suma do meu rosto. Meu rosto é frio sem o vento do teu sorriso. Teus beijos se tornaram meu vício, minha droga, minha súplica. Vamos reconstruir nossos corações no mesmo espaço. Todo esse espaço é teu. Nós somos esse espaço. Você não pertence a outro lugar. Teu lugar é aqui, os teus dedos entre os meus dedos.
Fácil como ligar o rádio pela manhã: quero te ouvir cantar. Quero o teu pescoço emaranhado no meu cheiro. Sua voz é a mais afinada voz para contar essa história. Vou te servir o nosso amor para desabafar a rouquidão da minha voz.
Fique, passe os dedos nos meus lábios e admire. Vai ficar tudo bem, eu sei. Não vou à taberna, pois não quero perder um minuto longe de você. Aqui é o teu lugar. Você foi recontratada à cargo de confiança.
Voltaremos aos lugares que frequentávamos e perguntarei ao garçom. Farei muitas perguntas pra assustar. Ele não responderá. Hesitará na resposta. Insistirei. Não terei mais problemas. Você já me serve. Sempre me serviu. Insistir é ainda acreditar na esperança.
Importo-me onde você está. Fique. Por favor.
Isso poderia ser uma ameaça, mas é apenas um momento de surto, de loucura inventada, de desespero pela perda iminente. Impeça-me da decisão. Temos outras chances. Ainda não usamos todas. Merecemos a tentativa. Pense em tudo o que já vivemos. Volte amanhã. Volte depois e depois de depois de amanhã. Estarei aqui te esperando.
Quero que nos vejam muito. Quero desfilar despretensioso com ar de quem é louco por você. Amo você. O tempo me deu isso. Você me conquistou. Amar é isso, é tão isso que se tornou sublime.  Estou no céu, no mar. Sou árvore, sou teu corpo. Os pássaros cantam porque o nosso amor existe. Eles te avisaram que era amor.
Vamos mudar de assunto. O amor não é descartável. Amor não vai para o lixo. Jamais deveríamos fazer isso. Não se acaba assim. O amor refaz as pessoas. Impossível devolver as lembranças como se devolve um ursinho ou uma carta. Nós somos o símbolo do nosso amor. Não dá pra inventar outro amor. Amor não se inventa, senão não é amor, oras!
Agora você decide. Se quiser, tenho muito mais coisas para falar. Refaço toda a nossa história se preciso for para você ficar. Chorar só vai aliviar a dor. Enquanto eu choro, recomponha-se. Não vou desistir de você, do nosso amor. Serei indiciado pela sua covardia se me der as costas. E mais uma vez: lembre-se de tudo isso. Amor não morre assim. Na verdade, o amor não morrerá, continuará vivendo sem nós dois.
Amo você.
Leandro Lima

5 comentários:

ana.d.w disse...

Se alguém, um dia, me falar isso, ou simplesmente escrever isso pra mim, eu iria ser a pessoa mais feliz do mundo. Lindas palavras!

Desabafando disse...

De uma coisa eu tenho certeza: vc tem talento com as palavras....texto altamente inspirador. Concordo com o comentário acima..rsrs..

Laís de Ponte disse...

Caramba, Leandro!!!
Parabéns por esse texto! Vc tem muito talento com as palavras! =)

Fez-me lembrar de um trecho de Caio Fernando Abreu:

“Te escrevo, enfim, me ocorre agora, porque nem você nem eu somos descartáveis. E amanhã tem sol.”

Beijão!

Tainá disse...

'Na verdade, o amor não morrerá, continuará vivendo sem nós dois.'
Texto lindo pra variar.

Vanêssa Aulette disse...

"Na verdade, o amor não morrerá, continuará vivendo sem nós dois".

Simplesmente divino (L)