segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

...




Vou ser redundante, mas preciso externar o que o coração só fala pra mim.
A falta de encantamento me aprisiona em um ceticismo irredutível. Não consigo ter paciência em acreditar. Estou preso na minha própria verdade infundada, modificada e distorcida. A sua deve, sem dúvida, ser assim, também. Nada, além disso, afora o pensamento. As pessoas andam vazias, são ambulantes passivos da obrigação que é viver.
Ninguém mais tem brilho. Os sorrisos estão mais desconfiados do que as sombras que os cobrem. Olhares sinceros não existem mais. Qualquer demonstração de carinho segue sem acreditar que pode valer mais que um dia útil, que pode ser mais que isso. As pessoas significam muito pouco. As coisas valem mais que ouro.
Algumas pessoas andam se preocupando demais com o moralismo de outras pessoas, enquanto deveríamos nos preocupar pela falta dele. É a falta que preocupa e o exagero que grita. E ri. Ri da grande palhaça que o mundo está se tornando. Da grande palhaçada que é!
Alguns corações não se encontram mais. A presença se torna cada vez mais dispensável com internet no bolso. Os encontros são marcados por rostos que não são verdadeiros, ou ,no mínimo, diferentes; mal sabemos o sobrenome. Do beijo pulamos para a cama e da cama já pulamos para outro corpo. Nenhum corpo é lugar de repouso constante. O constante são nossas mudanças de ligações. Ninguém sabe mais o número do fulano, ou da fulana, de cabeça, deixamos que a agenda do telefone se encarregue de lembrar quando for preciso. Se o telefone não ajudar o MSN resolve. Pergunta pra um amigo se ele sabe o número decorado! Duvido.
As mãos se encaixam somente no passeio armado do cinema. Fora dali, continuamos sem que conheçam os nossos segredos e os nossos medos. Conheceremos todo o lado brilhante do indivíduo no início, mas o lado escuro não terá tempo para aparecer: já estaremos longe refazendo as frases para um beijo na mão.
Estamos vivendo num mundo de zumbis. Pessoas sem vida que querem ter vida sem saber o que é viver. Amar, então, passou longe...
Leandro Lima


4 comentários:

Athila Goyaz disse...

Muito bonito o que vc escreveu.
Realmente hj já perdemos todos os valores possíveis de amizade e companheirismo... as verdades são puramente maqueadas e vira fantasia.. estamos sempre em busca da perfeição sendo que nunca a encontraremos.

feliz 2010 pra tu!

Mariana Dore disse...

Vc escreve exatamente do jeito que eu gosto de ler...
Feliz Ano Novo se eu não aparecer mais por aqui

;D

Priscila Rôde disse...

Estamos frios..


Boas ondas em 2010!
Beijo enorme!

felps_n! disse...

Descreveu o que sinto. INFELIZMENTE! Mas de tudo, algumas coisas sempre irão fazer tudo valer a pena. Afinal, não viemos ao mundo pra sermos iguais, se inserir uma realidade mas pra fazer toda a diferença. Legal que você está fazendo sua parte! Abraço.