segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Prescrito

Série: Abstrato

Por onde você anda? Por quantas noites passou sentindo minha falta? Aposto que já conhece nossas músicas, que devorará um livro ainda amarrando os cadarços, que deixará a porta entreaberta para eu voltar. Você quer ter certeza de que eu vou voltar. Minha certeza é ser o oposto, ser o contrário, o avesso. Incerto.

Por quantas noites passei tentando te encontrar nas minhas letras, tentando te dar um rosto no pensamento, tentando encontrar um jeito de desfazer as amarras, tentando decifrar a letra por detrás da dúvida?

Você deve ter chorado um pouco. Prometeu pra si mesma que não choraria. Mas toda lágrima é rebelde, precisa fugir dos olhos para encontrar emoção, encontrar um sentido, um caminho. Toda lágrima morre na boca, é um beijo sozinho. Não há despedida que não tenha uma lágrima contida. Vai se rebelar mais cedo ou mais tarde.

Ainda não conheci tuas manias. Uma rara coleção de momentos. Uma relíquia, uma raridade que virará suvenir. Quero construir um museu na memória. Um castelo de história. De nossas histórias. Um canto só nosso. Intocável pelo tempo. Quero revoltar uma saudade, deixá-la inquieta, uma saudade que nunca aceitará a possibilidade da despedida. Cansar o pensamento com a repetição do teu nome. Dar nome errado às pessoas, trocar a dúvida pela certeza: você.

Espero que esteja bem. Que tenha cercado teus medos de atitudes. Que tenha tirado férias de si mesma para se reencontrar mais forte. Que o teu plano tenha dado certo. Que os nossos planos deem certo, se não derem, daremos um jeito de saldar a dívida.

Sei que nunca fui muito bom com o amor, mas tento não me piorar para não amaldiçoá-lo. Porque a covardia é não chegar em si, é desistir de si, ficar pelo meio do caminho e retornar. Que retorne para se recompor e tentar de novo.

Porque “eu também te amo” já não me serve, acaba sempre virando contra o mundo. O que mais me vale é “estarei aqui”. “Estarei aqui” conforta, por instantes, perturba, mas acalma. “Eu também te amo” é o que volta, “estarei aqui” é o que fica, o que permanece, o que ilumina. É o que mata todas as outras dúvidas, não precisarei de fiador para o sentimento, não haverá desconfiança. Sentirei junto. Cada vez mais.

Nosso amor está prescrito. Um emblema. Uma correspondência esperando pelo dono.

Aguardo você chegar.

Leandro Lima

7 comentários:

Luly disse...

isso é mesmo uma luz no fim do túnel? =D

Vou começar a comentar mais por aqui! Vc merece mais do que uma visita calada! =*

PS.Espero estar sempre aqui pra vc!

Natalia disse...

sem comentários... =D
(rubra)

Marcya Santos disse...

=)

Vanêssa Aulette disse...

Adoro seus textos e esse me tocou de forma profunda, eu falei através de suas palavras... Parabéns pelos ótimos trabalhos!

Lua disse...

perfeito....

Vanêssa Aulette disse...

Leandro, eu tinha feito uma releitura do seu trabalho mas não tinha me tocado da necessidade de deixar isso claro, mil desculpas! Já tá tudo corrigido. Dê uma passada lá no blog pra checar isso e dê uma relida no texto(arrumei mais tempo pra deixá-lo com um ar mais pessoal). Qualquer coisa, entra em contato.
Abraço

Keli Wolinger disse...

Quanta sinceridade distribuídas em palavras.

Abraços