sábado, 20 de março de 2010

Ainda



Desligue a luz. Este caso está encerrado por hoje. Amanhã o reabrirei para a reavaliação. O amor pede correção.
Inventarei um fim para me cobrar outro começo. Você será a primeira e a última a saber da indecisão. Saberemo-nos melhor na revolta dentro da indiferença. Seremos mais parecidos no desentendimento. Pareceremos os mesmos na tristeza. Seremos idênticos na ternura.
Pode fazer da minha vida um caos. Pode fazer do meu amor um tormento, um temporal, uma rixa, uma aposta, uma vaquinha. Aposto que ainda te amarei amanhã de manhã. Mas, por favor, faça alguma coisa dele.
Pode me amaldiçoar. Que me jogue praga, que não me permita dormir, que morra junto de mim e que morra longe, pela saudade. Que me pregue peças, que coma a minha fatia do pão, que use minhas meias no meio da noite, que mude de canal na hora do meu programa favorito, que me corte com a leveza dos seus cabelos, que me entorte de dúvidas, que desencaixe o meu mundo para me mostrar o seu. Mas não deixe de se preocupar comigo. Vida boa é vida de pernas pro ar.
Quero ter todos os motivos do mundo para te abandonar, quero apenas um motivo para continuar te amando. Um motivo é o suficiente. Só um.
Quero que não tenha vida para fazer da minha a sua. Não precisa ser sincera. Minta para me agradar. Minta para tornar isso uma tentativa de se entregar. Confiar pode ser uma tarefa muito complicada, mas vale a tentativa. A noite não aceita cerimônia. Eu aceito a sua pele.
Quero discutir com os teus seios as minhas contradições. Quero fazer as pazes pela manhã com um telefone que chora a distância. Quero perder a cabeça achando que posso te perder. Quero fugir por dez minutos para não te encontrar em mim. Quero que encontre em mim um sossego que canta, uma inquietação que grita, um sorriso que esperneia.
Quero respirar o mesmo céu que tu respira. Quero voltar com os olhos enciumados de desespero pela tua ausência. Nada será mais frustrante do que esse amor. Até o ódio será correspondido. Nada será mais sublime que o teu jeito. Nada será mais confortante que os teus braços. Teus lábios serão os meus lençóis, teu rosto, a cortina do meu mundo.
Pode dizer que vai embora, mas volte. Retorne quando quiser. Ainda estarei aqui pela manhã. Diga que vai ficar e reclame. Dê vexame, mas não deixe de se importar. Certifique-se do erro. Perca-se de mim. Em mim.
Quebre o silêncio mesmo quando não for necessário. Acredite na chuva, ela falará por mim. Deseja menos as palavras. Colecione minhas atitudes. Espie.
Eu ainda estarei aqui pela manhã...
Leandro Lima.

4 comentários:

LUZIA disse...

Texto muito lindo...
Legal ver um homem com tanta sensibilidade, coisa rara hoje em dia.

Voltarei mais vezes em seu blog :)

Beijos.

Anne Lucy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Atestado do Óbvio disse...

"Quero discutir com os teus seios as minhas contradições. Quero fazer as pazes pela manhã com um telefone que chora a distância. Quero perder a cabeça achando que posso te perder. Quero fugir por dez minutos para não te encontrar em mim. Quero que encontre em mim um sossego que canta, uma inquietação que grita, um sorriso que esperneia."

Sublime... ^.^

Mayara disse...

"Quero respirar o mesmo céu que tu respira. Quero voltar com os olhos enciumados de desespero pela tua ausência. (...)Nada será mais confortante que os teus braços. Teus lábios serão os meus lençóis, teu rosto, a cortina do meu mundo. (...)"
Lindo, muito lindo!
Emocionante. Tão profundo, sincero.
Adorei o blog. Você escreve muito bem, parabéns! Fiquei impressionada com a sua escrita.
Voltarei aqui mais vezes, com certeza.
Beijo!